Lira e líderes aceitam volta das comissões mistas, mas com mais deputados que senadores – Notícias



Em meio ao impasse das medidas provisórias (MPs), o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e os líderes dos partidos na Casa aceitaram o retorno das comissões mistas que analisam as MPs, desde que o Senado aceite que os deputados estejam em maior número nesses colegiados. A proposta ainda vai ser discutida com os senadores.


A tramitação das medidas provisórias gerou uma queda de braço entre Lira e Rodrigo Pacheco (PSD-MG), presidente do Senado, e preocupa o governo federal, que teme que o atrito atinja decisões consideradas importantes pelo Palácio do Planalto, como a reestruturação das pastas ministeriais e as novas regras para o Bolsa Família.



Segundo o líder do PT na Câmara, José Guimarães (CE), “não há outro caminho” além da volta das comissões mistas. Ele disse que deve haver a constução de uma proposta que agrade tanto os deputados quanto aos senadores. “Vamos levar o que conversamos ao conhecimento do presidente [Lula] e tentar consolidar o acordo. A questão do prazo e tamanho é um processo de entendimento entre os dois presidentes. Não há outro caminho”, comentou.


Lira e os líderes querem que a composição das comissões seja reformulada, com a divisão proporcional — e não mais de forma igualitária entre as Casas. Atualmente, os colegiados são formados por 12 deputados e 12 senadores, o que desagrada os deputados, que querem proporcionalidade de 1 senador para 3 deputados.


“É absolutamente razoável, está até mais favorável ao Senado do que em outros momentos”, afirmou o líder do Psol, Tarcísio Motta (RJ).


Em outra proposta, os deputados também levantaram a possibilidade de apresentação de uma proposta de emenda à Constituição (PEC) para instituir prazos para as comissões mistas (com deputados e senadores).


Mais cedo, o ministro da Secretaria de Relações Institucionais do governo Lula, Alexandre Padilha, almoçou na residência oficial com Pacheco e Randolfe Rodrigues (Rede-AP), líder do governo no Senado, com o objetivo de destravar o conflito no Congresso. 


Ao sair do encontro, Randolfe disse que ainda há tempo de buscar alternativas para o impasse. Apesar de não ter cravado uma data para um acordo, o líder comentou que a disputa entre as Casas está perto de ser resolvida. 


Enquanto isso, nesta semana o Congresso faz um esforço concentrado para votar as dez medidas provisórias deixadas pelo governo Bolsonaro.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *