Haddad descarta crise sistêmica após falência de bancos nos EUA

ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou nesta segunda-feira (13) que não vê risco de uma crise sistêmica na economia global, após a falência decretada na última semana em dois bancos nos Estados Unidos. Segundo ele, no entanto, a situação é grave.

“Não sei se vai gerar uma crise sistêmica, aparentemente não. Não vi ninguém tratar esse episódio como o Lehman Brothers, mas é grave o que aconteceu. O Fed [banco central americano] agiu no fim de semana, e nós vamos ver ao longo do dia”, afirmou.

Haddad disse ainda ter conversado com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, e com dois banqueiros para compreender a avaliação deles sobre a falência desses bancos americanos. De acordo com o ministro da Fazenda, “as informações ainda não são suficientes para saber o tamanho do problema”.

“Vamos ver se a autoridade monetária vai tomar alguma providência, em virtude dos efeitos das economias periféricas. Isso não está claro ainda. Vamos acompanhar ao longo do dia”, acrescentou.

As declarações foram dadas por Haddad em evento que discutiu a reforma tributária. Recentemente, dois bancos dos EUA (Signature Bank e Silicon Valley Bank) sofreram falência. Esse último, por exemplo, trabalha com o setor tecnológico desde a década de 1980 e ficou, surpreendentemente, sem liquidez.

Pouco conhecido do público, era o 16º banco americano em tamanho de ativos. O SVB é a primeira instituição com depósitos garantidos pela corporação federal a quebrar desde 2020, segundo a FDIC (Corporação Federal de Seguro de Depósitos). Trata-se, também, da maior falência bancária nos Estados Unidos desde a crise de 2008 em volume de ativos.

Na avaliação de Hugo Garbe, professor convidado de economia da Universidade Presbiteriana Mackenzie, há um impacto na confiança do ecossistema de startups, já que grande parte delas possuía depósitos nesses bancos. “O órgão regulador americano disse que não vai deixar nenhum cliente na mão e vai cobrir todos os depósitos, mas não se sabe ainda quanto tempo isso vai levar”, explicou.

“Temos grandes bancos digitais brasileiros que tinham depósitos por lá, e isso gerou um receio no mercado brasileiro. Esse receio é de justamente gerar desencaixe no caixa, uma vez que as startups dependem muito dos aportes que recebem. E, se eles estavam contando com aquele dinheiro e não tiverem condições de sacar, corre o risco de demitir pessoas ou até mesmo de quebrar também”, acrescentou.

Taxa de juros

Durante a cerimônia, o ministro da Fazenda ainda falou sobre a taxa de juros — atualmente em 13,75% ao ano — e disse que há “gordura” no país para que a redução do índice seja, de fato, realizada.

“Hoje, diria que há pouco espaço para aumento da taxa de juros no mundo e que tem uma gordura no Brasil que permite a nós, tomando as providências que vêm sendo tomadas e reconhecidas pelo Banco Central. Penso que temos um espaço que o mundo não tem”, afirmou.

Demais temas

No evento, Haddad defendeu a ideia de que a reforma tributária seja votada entre junho e julho, na Câmara dos Deputados, e entre setembro e outubro, no Senado. O ministro avaliou o deputado federal Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), relator do tema na Casa, como “excepcional”.

Pouco conhecido do público, era o 16º banco americano em tamanho de ativos. O SVB é a primeira instituição com depósitos garantidos pela corporação federal a quebrar desde 2020, segundo a FDIC (Corporação Federal de Seguro de Depósitos). Trata-se, também, da maior falência bancária nos Estados Unidos desde a crise de 2008 em volume de ativos.

Na avaliação de Hugo Garbe, professor convidado de economia da Universidade Presbiteriana Mackenzie, há um impacto na confiança do ecossistema de startups, já que grande parte delas possuía depósitos nesses bancos. “O órgão regulador americano disse que não vai deixar nenhum cliente na mão e vai cobrir todos os depósitos, mas não se sabe ainda quanto tempo isso vai levar”, explicou.

“Temos grandes bancos digitais brasileiros que tinham depósitos por lá, e isso gerou um receio no mercado brasileiro. Esse receio é de justamente gerar desencaixe no caixa, uma vez que as startups dependem muito dos aportes que recebem. E, se eles estavam contando com aquele dinheiro e não tiverem condições de sacar, corre o risco de demitir pessoas ou até mesmo de quebrar também”, acrescentou.

Taxa de juros

Durante a cerimônia, o ministro da Fazenda ainda falou sobre a taxa de juros — atualmente em 13,75% ao ano — e disse que há “gordura” no país para que a redução do índice seja, de fato, realizada.

“Hoje, diria que há pouco espaço para aumento da taxa de juros no mundo e que tem uma gordura no Brasil que permite a nós, tomando as providências que vêm sendo tomadas e reconhecidas pelo Banco Central. Penso que temos um espaço que o mundo não tem”, afirmou.

Demais temas

No evento, Haddad defendeu a ideia de que a reforma tributária seja votada entre junho e julho, na Câmara dos Deputados, e entre setembro e outubro, no Senado. O ministro avaliou o deputado federal Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), relator do tema na Casa, como “excepcional”.

Volta da CPMF

Haddad descartou a volta da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). O imposto nasceu em 1997 com o objetivo de arrecadar dinheiro para a área da saúde, mas foi extinto em 2007.

“Não está no nosso radar, [a volta da CPMF] nem no plano do governo, nem nos planos da área econômica: do Planejamento, da Fazenda e do MDIC [Ministério do Desenvolvimento]. Não está na mesa de ninguém essa possibilidade”, disse.

Fonte; R7

JORNAL CAUCAIA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *