Cardiologista suspeito de estuprar pacientes durante consultas é preso, no Ceará

A Polícia Civil prendeu, nesta quinta-feira (23), o médico cardiologista suspeito de cometer crimes sexuais contra pacientes mulheres durante consultas em Barbalha, na região do Cariri do Ceará. O cumprimento do mandado de prisão preventiva ocorreu no município de Iguatu, onde ele foi encontrado.

  • Desde novembro de 2022, o homem é investigado pela Delegacia Municipal de Barbalha por crimes sexuais. Pelo menos cinco vítimas denunciaram o suspeito por meio de boletins de ocorrência. Os estupros eram cometidos desde o ano de 2009.
  • Após investigações, os policiais conseguiram localizar o médico e o conduziram para a delegacia de Iguatu, onde o mandado de prisão preventiva foi cumprido. Ele permanece detido à disposição da Justiça.

A defesa do médico disse “que está reunindo elementos para analisar a situação de maneira mais abrangente” e, no momento mais oportuno, irá se pronunciar com mais detalhes.

Abusos no consultório

Um dos casos teria acontecido na Policlínica de Barbalha em março de 2022 e foi registrado em boletim de ocorrência no mês de outubro do mesmo ano. “Nunca imaginei que ia passar por uma situação dessas. Na hora, você fica sem reação. Espero justiça e que ele se afaste do cargo, para que não faça com outras pessoas o que ele fez comigo”, afirma a vítima.

Na época das denúncias, a defesa do médico informou que o médico nega as acusações e afirma estar sendo vítima de uma injustiça.

Em depoimento realizado em novembro do ano passado, uma paciente de 33 anos, cuja identidade será preservada, relatou que, durante o atendimento, ele trancou a porta do consultório e começou a fazer perguntas sobre sexo. Segundo a mulher, ele disse “que iria arrumar um namorado para ela”.

Após mandar a paciente subir na maca, pediu que desabotoasse a calça; em seguida, abriu o zíper e tocou na genitália dela. A paciente afirma que retirou a mão dele. O médico voltou para a cadeira de atendimento, depois destravou a porta e liberou a paciente. Fonte; g1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *