Baú da política: o que há por trás do episódio de Cid Gomes mergulhando em uma adutora – PontoPoder


Chegando ao último ano à frente do Governo do Ceará, o então governador Cid Gomes (PDT) colecionava situações inusitadas no cargo. O político já havia tentado se aventurar em cima de um skate – investida que terminou em um tombo –, “surfado” em cima de um palco, montado em uma avestruz e até descido de tirolesa. 

No entanto, foi em Itapipoca, a 147 quilômetros de Fortaleza, na última semana do 2013, um ano antes do fim de seu mandato, que o político protagonizou a cena que passou a ser reproduzida nacionalmente, tonando-se, por anos, o “meme” mais conhecido do pedetista: Cid mergulhando na adutora. O episódio completa uma década neste ano.

Inicialmente, as imagens, gravadas em resolução de baixa qualidade, mostravam uma estrutura de cimento, uma espécie de tanque, destampado e com água transbordando.

Eis que, segundo depois, emergiu das águas o então governador do Ceará. Sem camisa e buscando fôlego, Cid ainda submergiu pelo menos três vezes, no curto período de vídeo. Nas mãos, o governador carregava uma ferramenta tentando resolver de vez aquele problema que já durava semanas.

Legenda: Cid coleciona situações inusitadas. Em uma delas, acabou sofrendo um tombo ao tentar andar de skate

Foto: Reprodução

Motivacional

Pouco tempo depois, o político usou as redes sociais para explicar o episódio aos eleitores. “O ritmo de trabalho para o funcionamento desta adutora foi muito exaustivo. Alguns passaram o Natal na obra. Nessas horas, penso que iniciativas para estimular a equipe são fundamentais”, disse.

Na publicação, o governador sinalizou que foi criticado por ter aparecido naquelas condições. “Aos críticos… Bom, os críticos são os críticos”, concluiu. 

Cid fez diversas investidas para tentar resolver o problema da adutora

Legenda: Cid fez diversas investidas para tentar resolver o problema da adutora

Foto: Reprodução

A falta d’água

Cid foi até Itapipoca no período entre o Natal e o Ano Novo para tentar resolver um problema que persistia a mais de um mês. Falhas na obra de uma adutora instalada na região deixaram a cidade sem água por semanas.

“Ele demonstrava estar muito irritado. Vendo os vazamentos ele mesmo foi tentar consertar. Foi algo inusitado. Todos ficaram surpresos. Apesar dos esforços, não deu para ele fazer nada. É um problema sério e infelizmente estamos sofrendo com a falta de água há mais de um mês”, disse a Francisca Joesla, ouvida pelo G1 Ceará à época.

O caso estava tirando o sono da população local e do governador, já que o açude da região estava vazio e a cidade estava em situação de emergência por conta da estiagem.

A adutora, que deveria resolver esse problema, era uma obra orçada em R$ 18 milhões e tinha previsão de ser concluída em 2011. Porém, a a empresa responsável, a PWE Engenharia, declarou falência. Dois anos após a não entrega da obra completa, quem tocava o canteiro de obras era a Primor Construções Ltda.

Cid Gomes durante evento para o setor de esporte

Legenda: Cid Gomes durante evento para o setor de esporte

Foto: Arquivo/SVM

Com a mão na massa

Recentemente, em entrevista ao podcast ‘As Cunhãs’, o hoje senador voltou a comentar o episódio e disse ter tomado a iniciativa para motivar os operários.

“Eu tinha construído o Açude Gameleira, uma demanda secular lá de Itapipoca, e fiz a adutora, mas não fizeram o leito em um dos locais onde tinha muitas pedras, então, quando a adutora bombeava, a água raspava a pedra e rompia”, explicou.

“Tinha que fechar 20 ventosas e abrir 20 válvulas para consertar, depois ligar e bombear de novo e esperar que a bicha funcionasse. A gente fez isso 15 vezes, eu fiz aquilo ali 10 vezes. Ali (o mergulho) era eu abrindo uma válvula que tinha embaixo, não tinha outro jeito, tinha que mergulhar e abrir a válvula para que a água saísse”

“Estávamos há 48 horas trabalhando, virando noite, a única coisa que eu tinha para estimular as pessoas (era aquilo), a forma de estimular era estar lá junto com eles e, graças a Deus, deu certo”, concluiu o político.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *