𝗘𝗻𝘁𝗿𝗮𝗱𝗮 𝗱𝗲 ‘𝗕𝘂𝗿𝗮𝗰𝗼 𝗔𝘇𝘂𝗹’ 𝗿𝗲𝗰𝗲𝗯𝗲 𝗽𝗹𝗮𝗰𝗮 𝗱𝗲 𝗽𝗲𝗿𝗶𝗴𝗼 𝗻𝗼 𝗖𝗲𝗮𝗿𝗮́; 𝗹𝗼𝗰𝗮𝗹 𝗮𝘁𝗿𝗮𝗶 𝗯𝗮𝗻𝗵𝗶𝘀𝘁𝗮𝘀 𝗺𝗮𝘀 𝘁𝗲𝗺 𝘃𝗲𝘀𝘁𝗶́𝗴𝗶𝗼𝘀 𝗱𝗲 𝗲𝘅𝗽𝗹𝗼𝘀𝗶𝘃𝗼𝘀

Uma placa de “Perigo” foi colocada na entrada do “Buraco Azul”, em Juazeiro do Norte, nesta sexta-feira (17). O local tem atraído visitantes, mas apresenta riscos por conter vestígios de materiais explosivos, conforme a Autarquia Municipal de Meio Ambiente. O órgão, inclusive, quem solicitou a implantação da placa.

Conforme especialistas que visitaram o local, a cor da água é originada por componentes químicos presentes em explosivos para explorar rochas de uma mineradora desativada. O órgão encaminhou o ofício para o responsável pelo local.

O lugar ganhou destaque por ter suas águas claras em tons verde e azul, que remetem ao “Buraco Azul” em Cruz, cidade no Litoral-Oeste do Ceará, e outras paisagens naturais com águas cristalinas. O local tem paredões de até 30 metros e a profundidade das águas variam entre oito a dez metros.

O órgão solicitou, por meio do ofício, que seja realizado o cercamento e fechamento da área com portão com fechadura ou cadeado, de modo para evitar que a população viole a propriedade privada; que seja realizada a instalação de placas de entrada proibida e risco de acidente no local, alertando que a área não é adequada para recreação e lazer, e que seja providenciado órgãos de segurança pública para ordenamento do local.

De acordo com especialistas que estiveram no “Buraco Azul”, após a realização de testes com a água, descobriram que os tons azulados e verdes se devem pela utilização de componentes químicos para explorar as rochas. Essas substâncias são prejudiciais à saúde.

Segundo o diretor do Departamento de Trânsito de Juazeiro do Norte (Demutran), Ednaldo Moura, o local já está isolado para evitar que mais pessoas frequentem o lugar. O diretor do Demutran reforça que a água é tóxica e altamente perigosa para a saúde.

“O lugar está com acesso proibido e isolado. As autoridades já descobriram que essa água é inapropriada para o banho e a água é tóxica. Altamente perigosa. A água foi contaminada por produtos químicos que provocaram as explosões. A Autarquia de Trânsito trabalha junto com a Secretaria da Segurança de Juazeiro do Norte e com a Polícia Militar. Reforço que esse é um espaço particular”.

O tenente coronel do Corpo de Bombeiros, Noberto dos Santos, afirma que o dono da pedreira desativada precisa se identificar e como a gestão municipal reforçar que a área é imprópria para o lazer.

“É recomendável que as pessoas não façam o uso do local. Pedimos também que o responsável pelo lugar tome consciência desta situação e isole a área, informando para os visitantes não fazerem o uso daquela área. Se ele um dia pretender usar o lugar público, que procure a prefeitura municipal da cidade, principalmente profissionais ligados ao meio ambiente, para certificar e se possível homologar ou não aquela área, verificar a questão da água e liberar ou não”. Fonte; G1

JORNAL CUCAIA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *